O Correio como meio de entrega da sua loja virtual

Diante da redução de custos no comparativo de uma loja física com uma loja virtual, bem como o parcelamento mais alongado e a diversidade de operadoras de crédito utilizadas, a economia na hora da compra pode ser significativa (e na maioria das vezes é), fazendo das lojas virtuais um “paraíso de economia”.

Mas como tudo tem seu lado ruim, com o comércio eletrônico não seria diferente. Uma das grandes reclamações acerca deste modal é quanto à logística de entrega dos produtos comprados. Muitas vezes a mercadoria levaria menos tempo para chegar à cidade de destino se fosse transportada por uma pessoa viajando de carro ou ônibus do que por uma transportadora.

E o pior é quando o serviço de entrega é terceirizado duas vezes que além de não lhe oferecer nenhum suporte para contato telefônico, apenas por e-mail (quase nunca respondido), você nunca sabe ao certo onde o seu produto está, porque até o sistema de rastreamento da mercadoria é falho.

Dentre minhas experiências de compra, uma em especial foi traumática. A mercadoria chegou quase 9 dias depois do “super-prazo” estipulado pela empresa. Isso me motivou a fazer uma bela reclamação por e-mail que nunca me foi respondida. Mas a pergunta permaneceu na minha cabeça: por que não disponibilizar um serviço opcional de entrega pelos Correios, com despesas pagas pelo cliente?

É claro que, dependendo do item comprado é mais vantagem aguardar a entrega pela transportadora (em virtude de tamanho e peso da embalagem), mas há situações que a entrega rápida se faz necessário e o envio do produto pelos Correios seria mais interessante. Comprando uma mercadoria na quarta-feira, que sai de SP, a entrega para o Nordeste não ocorre até a sexta-feira, e se havia necessidade de usá-la no final de semana, esqueça.

Entre comprar com frete grátis e receber em 9 dias úteis ou comprar e pagar o envio por SEDEX, para receber 2 dias depois, fico com a segunda opção. Claro que fazer isto com uma geladeira ou TV LCD não é recomendado, mas em caso de livros e eletrônicos de pequeno volume sim.

Seria uma medida que não resolveria todos os problemas de entregas para o e-commerce, mas com certeza faria com que os consumidores se sentissem mais satisfeitos, afinal a forma de envio foi selecionada por ele, atendendo suas expectativas. O pensamento de satisfação do cliente não deve esbarrar nos sistemas que englobam a logística no e-commerce.

Fonte: Ponto Marketing

Avalie este artigo!